sábado, 8 de julho de 2017

PAÍS A PRAZO







"Num país em que tudo é a prazo, empregos a prazo, contratos a prazo, relações amorosas a prazo, ele sentia-se fora de prazo porque ainda não conseguira trabalho.
A rotina de um desempregado é demolidora. Mergulhava numa angústia terrível de cada vez que se sentava à secretária para seleccionar os anúncios adequados ao seu perfil. Enviava dezenas de cartas todos os dias. Raramente recebia um telefonema para se apresentar numa entrevista (...) a primeira coisa que um desempregado perde é o orgulho. Mais tarde também perde a compaixão dos que o apoiam."

IN,  O Tibete de África. Margarida Paredes